22 Árvores que atraem pássaros

22 Árvores que atraem pássaros

Árvores  que atraem pássaros devem ser consideradas na composição dos jardins, pois além da beleza destes animais, seu canto funciona como a trilha sonora ideal deste cenário e faz toda a diferença no ambiente, gerando vida e movimento.

Fora isso, a relação entre as árvores e as aves tem benefícios para ambos os lados. Enquanto os pássaros obtém seus alimentos, dispersam sementes e distribuem pólen das flores para garantir a reprodução das plantas.

Os pássaros também comem insetos e, assumindo seu papel na pequena cadeia alimentar de um jardim, fazem um importante equilíbrio biológico de espécies.

Mas cada ave tem sua preferência alimentar, portanto para se obter uma variedade de espécies  também é preciso diversificar as árvores que atraem pássaros. Da mesma maneira,  distribuir o florescimento das plantas de forma contínua durante todo o ano, ajuda a a atrair vários tipos de pássaros.

As aves tem sistema olfativo pouco desenvolvido e por isso flores perfumadas nada ajudam na sedução delas. Em compensação grandes inflorescências vermelhas e amarelas costumam chamar muito a atenção de pássaros.

 

Prefira nativas como árvores que atraem pássaros

 

Também recomendamos sempre o uso de árvores nativas e preferencialmente que estejam dentro do bioma da região, já que em um país continental como o nosso tanto a fauna como a flora tem características muito regionais.

pitanga para pássaros
Pitangueira
goiabeira para pássaros
Goiabeira
Grumixama para pássaros
Grumixama
jerivá para pássaros
Jerivá

 

 

 

 

 

 

Por isso temos de ter bom senso na escolha de árvores  e não  adianta plantar uma árvore do pantanal num jardim da região Sudeste pensando que algum tuiú-tuiú vai aparecer, porque ele vai preferir continuar lá no bioma dele, tranquilinho.

Abaixo fizemos uma listagem de árvores com os principais pássaros que elas cativam, mas a variedade da avifauna pode ser muito maior, principalmente porque os espaços dedicados a plantios de árvores são cada vez mais escassos, principalmente nos centros urbanos.

As espécies que indicamos devem ser encontradas com muita facilidade nas suas regiões de origem. Então, nao tem desculpa, vamos partir para escolha e mãos a obra!

 

árvores que atraem pássaros

Se você gostou desta matéria, compartilhe com seus amigos!

 

16 comentários sobre “22 Árvores que atraem pássaros

  1. Oi, Marli,
    adorei a sua ideia, parabéns! mas senti falta de mais espécies do Pantanal na sua listagem!
    Estou morando em Corumbá e quero plantar uma árvore em frente da minha casa, na sua lista só tem o buriti, mas gostaria uma árvore mais frondosa para deixar minha casa mais fresca.
    mais uma vez parabéns pelo trabalho e divulgação das árvores nativas.

    1. Oh, Carlos, desculpe, mas a verdade é que a Caatinga é muito pouco estudada e eu nao dispunha de informações confiáveis. Mas prometo que farei uma pauta sobre a fauna da Caatinga. Fica o compromisso aqui…

    2. Não esquece o Pampa também aushauha Trabalhei no meu TCC sobre frugivoria e dispersão de sementes aqui.. e muitas espécies que já estão na lista ocorrem e são bem consumidas.. beijos

    3. Sim,a maioria de árvores que identificam o Bioma Caatinga foi esquecido ou passou por branco,mas a maioria das árvores da Caatinga vistas também nesta relação atrai além de pássaros belos ,Abelhas sem Ferrão,útil na produção de mel e muito rica na economia agroflorestal.

  2. Ótima matéria, já vou ampliar a plantação do meu quintal, conforme tabela e possibilidade na minha região, aquí já temos cajá-manga, pitanga, goiaba, carambola, abacate, Santa Bárbara etc… Onde os pássaros se alimentam frequentemente!!!Amo fotografar as espécies!

  3. ÓTIMA pagina de informações para alimentação das aves e pássaros na natureza. Eu já faço observação dos comportamentos,e também as fotografo. Estou revitalizando com essas árvores a bastante tempo e a melhor maneira de saber o que eles preferem é estudar as espécies.Tem um livro com muitas imagens das espécies,as regiões que habitam e anexo se completa com uma ótima pesquisa das plantas que mais as atraem. Livro: ( AVES BRASILEIRAS E AS PLANTAS QUE AS ATRAEM – Johan Dalgas Frisch e Christian Dalgas Frisch ).Editora:DALGAS ECOLTEC-ECOLOGIA TÉCNICA Ltda. Telefone: 55+(11)3814 8000.Home page: http://www.avesbrasileiras.com.br
    Espero ter cooperado com todos os interessados em plantar árvores que alimentam pássaros.

  4. Ola
    Tenho Mamoeiro e uma Pereira,
    dentro do meu terreno, que atraem, sabiás, rolinhas, beija flor
    e mais alguns.
    Fora, na calçada tenho um abacateiro, enorme, que atraem alguns
    acho que mais para proteção e ninhos. Só comem abacates quando caem.
    Plantei (prefeitura a pedido) recente um Ipê Amarelo, também na calçada.
    abcs.
    evaldo/cwb

  5. Bom dia Marli,
    Qualquer planta atrai aves, porém alguma tem uma importância biológica maior por apresentarem flores, fruto sementes e ainda por atraírem insetos e pequenos animais que também servem de alimentos para as aves. Algumas constituem o local predileto para a construção do ninho, outras fornecem material para isso. O segredo para manter a constante visita de pássaros, como beija flores, bem-te-vis, andorinhas, cambacicas, sabiás, rolinhas e muitos outros, é selecionar espécies que floresçam e frutifiquem em diferentes épocas do ano. Se o espaço permitir, cultivar plantas de portes diferentes, como árvores, trepadeiras, arbustos, gramíneas, cercas vivas, bromélias, etc., pois cada espécie de ave tem características próprias. Umas se alimentam do néctar, outras de frutos, algumas preferem os grãos e há até as que comem de tudo.

    Uma outra questão que quero comentar é que mesmo sendo verdade que a Caatinga (ecossistema característico de toda a região nordeste, do norte de Minas Gerais até o sul de Pernambuco, atravessando os estados da Bahia, Sergipe e Alagoas) é pouco estudada, isso não justifica que na sua lista não tenha nenhuma árvore deste bioma brasileirissimo e que infelizmente ainda não foi considerado Patrimônio Nacional porque a Constituição de 1988 o deixou de fora e o Congresso Nacional até o momento não se digna a mudar esse desprezo aprovando a PEC 504/2010, que coloca a Caatinga e o Cerrado no mesmo nível de importância dos demais biomas do Brasil.

    No semi-árido baiano é impossível não reconhecer de longe a palmeira do licuri (Syagrus coronata) com o cacho carregado de frutos verdes. De porte imponente, são conhecidas como as palmeiras solitárias da caatinga. Dela dependem diversas comunidades locais e a sobrevivência de um dos pássaros mais belos da região em risco de extinção: a arara azul, que se alimenta da polpa da fruta do licuri.

    Sugiro a leitura do livro “Árvores para Cidades”, de autoria da engenheira agrônoma e analista do MP/BA Eloina Neri Matos e do doutor em Biologia Luciano Paganucci. Na obra consta um guia de espécies com 120 árvores representativas da caatinga, cerrado e Mata Atlântica (incluindo campo rupestre e restinga).

    Existem alguns guias ilustrados que estimulam o olhar sobre os pássaros:
    Um deles foi lançado pela Fundação Maria Luisa e Oscar Americano (FMLOA). Trata-se de um levantamento das 50 aves observadas entre 2005 e 2006 no parque da instituição, um enclave urbano com 75 mil m2 de mata. A introdução do livro é um convite aos paulistanos a que descubram hábitos e segredos das aves. Os autores, ligados à Universidade de São Paulo (USP), fornecem os nomes, popular e científico, comprimento do animal e um pequeno texto sobre cada espécie observada. Tudo em português e inglês e ilustrado com as belas fotos de Edson Endrigo. A fundação também instalou em sua sede dioramas – representação de uma cena, em um fundo pintado de forma realista, com fotografias e cantos de aves, que passam a fazer parte do acervo permanente em exposição.

    Um guia mais completo é o de Pedro Develey, também com fotos de Edson Endrigo. São 273 espécies, que ocorrem de forma esporádica ou constante na capital paulistana e seus arredores. Algumas aves vivem nas florestas que circundam a área urbana e se aventuram na cidade; outras, como pardais e periquitos, aproveitam recursos que derivam da ocupação humana, como abrigos para fazer ninhos ou para se alimentar. Para cada espécie, o guia traz (também em português e inglês) os nomes, popular e científico, uma pequena descrição do animal e seus costumes, seu habitat, alimentação e tamanho. Além disso, cada página tem um mapa do Brasil com a distribuição da espécie por todo o território nacional. As vendas mostram como há interesse em aprender um pouco mais sobre aves: Develey informa que a primeira tiragem, de 3 mil exemplares, se esgotou em um ano. E a segunda, também de 3 mil, já está quase toda vendida.

    Apesar de atrair algumas espécies, a urbanização crescente representa um risco ao habitat de muitas aves, que dependem da natureza para se alimentar e fazer ninhos. Porém, o morador das grandes cidades pode fazer sua parte e contribuir para a permanência das aves. A orientação nesse sentido vem de outra publicação recente, “Aves brasileiras e plantas que as atraem” de Johan Dalgas Frisch que foi durante muito tempo responsável pela única referência sobre o assunto. A terceira edição de Aves brasileiras, publicada em 2005, teve participação de seu filho Christian e ganhou, além de informações atualizadas, uma seção sobre plantas que atraem aves. A intenção é orientar moradores e planejadores urbanos a contemplar a fauna avícola na arborização. São cerca de 1800 espécies, ilustradas por desenhos de Svend Frisch e Thomas Sigrist.

    Outra obra recente, porém, exige outro tipo de degustação, sem sair do sofá: “Aves do Brasil” de Tomas Sigrist, é um livro grande, com mais de 1800 aves do Brasil todo e lindamente ilustradas pelo próprio autor. Além das ilustrações, mapas de distribuição e dados básicos sobre cada espécie, o volume traz informações gerais sobre as paisagens brasileiras e sobre a biologia das aves. Para completar o passeio virtual, tem um CD com mais de 50 cantos de aves.
    Os livros acima podem ser consultados durante caminhadas pela natureza seja ela silvestre ou urbana.

    1. Olá, Rosangela! Seu comentário caiu no Spam e não me dei conta. Coloquei um post no ar esta semana só sobre árvores frutíferas da Caatinga e Cerrado. Não está propriamente relacionado a aves, mas visa corrigir um pouco a falta dessas espécies no post sobre aves e árvores. Acredito que as pessoas interessadas no assunto possam buscar mais detalhes nos livros que você indica. Esclareço, contudo, que meu blog não tem caráter científico e sim de informação para leigos amantes da natureza. Obrigada pelas informações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *