Você sabe o que são as sementes crioulas?

Você sabe o que são as sementes crioulas?

Apesar do termo “ semente crioula” estar sendo muito empregado atualmente, sua origem é incerta e remonta a uma tradição de mais de 10 mil anos de agricultura.  Na verdade, a semente crioula é a semente original que foi sendo selecionada pelos agricultores através do replantio das melhores espécies.

Esse conceito vem sendo empregado muito antes de que Darwin apresentasse ao mundo a sua teoria da evolução das espécies. É na realidade a seleção que o homem fez através da observação constante da melhoria do plantio diante da natureza.

Infelizmente as sementes crioulas tem de lutar para poder seguir existindo no mundo atual onde o agronegócio domina as culturas de alimentos e estabelece um padrão de produção de sementes.

As sementes geneticamente modificadas (GMs) foram apresentadas pelas grandes corporações ao homem do campo como sendo o grande sonho de maior produtividade, menos trabalho e mais lucro. Com isso as monoculturas foram impulsionadas pelo plantio das sementes GMs que demonstravam ter uma produção superior as antigas.

A realidade demonstrou que sim, eram mais produtivas, contudo, perdiam a vitalidade rapidamente e já na segunda e terceira estação já demonstraram que a lavoura se tornava extremamente dependente de fertilizantes e pesticidas sintéticos.

Quebrou-se um ciclo natural de produção e criou-se um jogo de interesses econômicos, empobrecendo cada vez mais a terra, tirando o homem do campo, destruindo o meio ambiente e retendo a propriedade da semente, que foi patenteada pelas grandes corporações químicas e genéticas.

Ao embarcar no sistema monocultural, o produtor rural acabou refém não só das sementes geneticamente modificadas e produtos químicos, como sujeito aos preços estabelecidos pelos mercados mundiais. Ele focou o plantio em poucos produtos como milho, arroz, soja e trigo e acabou perdendo o apreço a terra e ao sistema produtivo.

Contra o fluxo da produção em massa, pequenos produtores rurais, comunidades indígenas e instituições lutam para preservar as sementes crioulas que devido a sua evolução milenar, passada de geração a geração, produzem com maior estabilidade, são mais rústicas e resistentes as mudanças climáticas e as pragas que atacam a lavoura.

Esses benfeitores são chamados guardiões de sementes e armazenam, trocam e compartilham espécies como faziam nossos ancestrais. É a luta da sabedoria popular contra o domínio das grandes corporações. Felizmente, há inúmeros guardiões no Brasil e no mundo que realmente podem conter nas mãos o futuro alimentar do mundo.

Esses guardiões muitas vezes não possuem uma organização complexa das sementes que possuem, mas sabem realmente qual a melhor espécie pode ser cultivada na sua região, obedecendo um código de seleção experimental e prático.

Além dos guardiões, o mundo observa o surgimento de grupos que lutam pela soberania dos povos quanto a posse de suas sementes, como uma forma de segurança nacional. É o caso da Rede de Sementes Livres do Brasil, entidade que possui em seu site um banco de dados com alguns dos guardiões de sementes nacionais e também entidades internacionais que apoiam a causa.

A semente crioula promove o resgate ao plantio tradicional para reconstruir o que foi destruído. Ela carrega dentro de si, um poder sagrado, muito respeitado por povos do mundo todo que, durante vários milênios, acreditaram como sendo portadora do verdadeiro milagre da vida. Que ela possa germinar e criar um mundo mais sustentável e equilibrado com a natureza!

Se gostou deste post, compartilhe!

campo de trigo

Um comentário em “Você sabe o que são as sementes crioulas?

  1. Guardar a semente crioula é guardar a vida: criação de Deus.E como preservar o DNA.´E antes de tudo tentar permanecer no jardim do eden que Deus nos deu de presente e temos o dever de conservar para a preservação da espécie.Além do mais e importante culturalmente para identificar caracteristicas regionais e também proporcionar integração dos povos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *