Delícias do Cerrado e da Caatinga, ignoradas pela maioria do Brasil

Delícias do Cerrado e da Caatinga, ignoradas pela maioria do Brasil

Apesar do Brasil possuir uma enorme variedade de frutas na sua mata nativa, a maioria das frutas comercializadas no país tem origem europeia, africana ou asiática.

É o caso da laranja, maçã, uva, pera, melancia, caqui, kiwi, tangerina e muitas outras.

O motivo disso: nossa colonização sempre deu mais valor ao que era importado do que ao que era local.

Nossa arquitetura, nosso vestuário e claro, na nossa alimentação são reflexo disso.

caju
Cajú – Abhishek Jacob – Flickr

A variedade de alimentos em um país como o Brasil, é tamanha que pessoas de uma região raramente conhecem frutos de outra localidade.

Mas ainda assim, alguns deles conseguem romper barreiras, como é o caso do Acaí. Boa parte do país, fora da região amazônica consome o fruto.

Isso ocorre porque muitas entidades estrangeiras estudam a região amazônica e divulgam seus alimentos.

Biomas esquecidos

Porém, as regiões Nordeste, (onde se localiza a Caatinga) e Central do Brasil (onde se localiza o Cerrado) são pouco estudadas e as frutas produzidas são desconhecidas pela maioria dos brasileiros.

Mangaba - Tarciso Leao Flickr
Mangaba – Tarciso Leao Flickr

A Caatinga, palavra de origem tupi, significa “mata branca” é o único bioma exclusivamente dentro do solo brasileiro (não faz fronteira com nenhum outro país).

O Cerrado por sua vez, ocupa uma área muito extensa com cerca de 22% de todo o território brasileiro.

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, é a savana mais rica em biodiversidade do mundo, com cerca de 11.627 espécies vegetais catalogadas.

Infelizmente, o Cerrado sofre muito com o desmatamento devido ao avanço do agronegócio na região, em especial a plantação de soja e as atividades pastoris.

Conheça agora algumas das delícias do Cerrado e da Caatinga:

frutas do cerrado e caatinga

Se você gostou deste artigo, compartilhe com seus amigos.

2 comentários sobre “Delícias do Cerrado e da Caatinga, ignoradas pela maioria do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *