Plantas carnívoras: monstros ou gênios?

Plantas carnívoras: monstros ou gênios?

No imaginário das pessoas as plantas carnívoras são como monstros que atacam e engolem serem humanos em um segundo.

Claro que os desenhos animados exageram e retratam as plantas carnívoras como se tivessem vontade própria, o que torna a situação assustadora mesmo.

Mas a realidade é bem mais simples.

Primeiramente porque a maioria das espécies é “insetívoras”, ou seja, se alimenta apenas de insetos.

Contudo, existem variedades de maior porte que se alimentam de pequenos anfíbios, répteis e alguns roedores.

A primeira vista, são bastante assustadoras!

Imagine encontrar uma planta com cerca de 6 metros de altura, cerca de 75 kilos e te contarem que ela é carnívora?

Pois esta planta existe e é originária da Indonésia e é conhecida popularmente como Flor Cadáver.

maior planta carnivora do mundo de até 75 kgs
Flor cadáver

Além de colorida, ela utiliza um cheiro muito forte semelhante a carne apodrecida para atrair presas que costumam se alimentar de animais mortos. Daí o nome.

Felizmente, elas são bem pouco comuns (ufa!!!)

Por que elas comem animais?

O que torna o assunto curioso é o recurso que essas plantas encontraram para obter seus nutrientes.

Isso ocorre pois elas geralmente têm origem em locais de solo pobre e têm de criar uma maneira própria para conseguir alimento para sua sobrevivência.

Assim como as demais plantas, elas também fazem a fotossíntese e se apropriam dos alimentos do solo, mas encontram na origem animal o complemento nutricional que necessitam.

Com isso, acabam diferenciando-se da grande maioria das plantas, sendo vistas como exóticas e particulares.

O Brasil, é rico em espécies carnívoras, já tendo registrado mais de 90 espécies. Ou seja, ficamos atrás em número de espécies somente para a Austrália.

Contudo, são conhecidos diversos exemplares de plantas carnívoras em todo o mundo e em diversos tipos de clima.

Como elas atuam, afinal?

As plantas carnívoras têm folhas modificadas que atuam como verdadeiras armadilhas. Elas se dividem pelo tipo de emboscadas que utilizam, sendo:

Armadilha mordedora ou jaula: Quando a presa toca nas folhas modificadas, aciona um mecanismo de fechamento muito rápido, esmagando a presa e iniciando a digestão. As espécies Dionaeas utilizam este método.

Armadilha de sucção: Pequenas aberturas são estimuladas quando tocadas pela presa. Uma vez no interior da planta, a diferença de pressão de dentro e fora faz com que o inseto seja sugado para o centro digestivo da planta. As espécies Utriculária e Genlisea descritas adiante utilizam este recurso.

Armadilha tipo ascídios:  Essas plantas têm formatos de jarros ou urnas. Um líquido escorregadio faz com que a presa deslize até o fundo onde encontra-se uma substância digestiva. As Nephentes e Sarracenias são exemplos deste tipo de emboscada.

Armadilhas adesivas: Possui folhas ou até mesmo toda a superfície da planta colante que aderem os insetos. A Drosera utiliza este método.

Cultivando plantas carnívoras

Enfim, vamos a ação conhecendo quais as espécies mais comuns e que você pode facilmente cultivar em casa:

Drosera

Tipo de planta carnívora que cola a presa
Drosera

Características: Possui tentáculos cobertos por tricomas (espécie de pelinhos) e uma substância pegajosa.

Assim, quando a presa pousa na folha modificada, ela enrola o inseto e o leva até o interior da planta para ser digerido.

O cultivo pode ser na meia sombra ou sol pleno, sendo que na exposição do sol a Drosera atinge uma coloraçãoavermelhada intensa.

Como cultivar: Esta planta gosta de muito sol e solo encharcado. A composição do solo deve ser de bastante musgo tipo sphagnun e perlita (facilmente encontrados em lojas de jardinagem).

Dionaea

Planta carnívora que fecha a presa como em uma jaula
Dionaea

Características: É a mais comum das carnívoras. Ela cresce em forma de roseta e tem estrutura pequena de no máximo 15 cm de altura.

Possui uma estrutura em forma de boca, envolta por alguns tentáculos.

Quando a presa toca a folha, ela se fecha em uma fração de segundo e prende o inseto, numa espécie de jaula.

Como cultivar: O solo deve ser composto por turfa ou musgo misturado com areia. Gosta de muita água, mas não a deixe encharcada.

A Dionaea gosta de bastante sol, mas tenha cuidado quando adquirir uma, colocando-a pouco a pouco no exterior. Geramente elas são produzidas em estufas.

Nepenthes

Tipo de planta carnívora com um tipo de jarro com sulco gastrico que mata o inseto
Nephentes

Características: Elas têm formato de trepadeiras e o sistema de captação é composto por uma jarra com tampa.

Internamente alguns pelinhos prendem a presa impedindo-a de subir. No fundo do recipiente um líquido digestivo faz o trabalho de decomposição e absorção dos nutrientes.

Como cultivar: O solo deve ser uma mistura de musgo com areia ou perlita. O local ideal para ela é próximo a janelas ou em uma varanda.

Gosta muito de água e durante o inverno deve ser protegida do vento frio.

Sarracenia

Tipo de planta carnívora aquática
Sarracenia

Características: Tem uma estrutura simples composta por um caule e raízes. Do caule saem as folhas em forma de jarro com tampa.

A flor brota bem acima das folhas em hastes individuais. Essas plantas podem chegar a 1 metro de altura.

Como cultivar: Cultivar em sol pleno em vaso, fonte ou lago com o substrato de musgo totalmente submerso e a planta para fora da água.

Em dias de calor, mantenha a temperatura do substrato fresca. Não aprecia ambientes internos.

Genlisea

Tipo de planta carnívora com ardadilha subterranea
Genlisea

Características: Também conhecida como violeta do brejo, pode ter cultivo terrestre ou aquático. As armadilhas são submersas em formato espiral.

Ela não possui raízes, suas folhas crescem rente ao solo e as flores crescem na ponta de hastes.

Como cultivar: A luz ideal para esta planta é a meia sombra.

A água deve ser mantida em 1/3 do vaso se não for cultivada de modo aquático. Nunca pode ficar seca por completo.

Utriculária

tipo de planta carnivora aquática
Utriculária

Características: Assim como a Genlisea, pode ser terrestre ou aquática, mas recomenda-se o uso em lagos e aquários com luz solar direta.

Além disso, tem armadilhas ocultas e a presa é atraída por pelos ramificados até o gatilho que, subitamente, abre a porta de vesícula da planta em um sistema de sucção rápida.

Está pronto para o cultivo de suas plantas carnívoras? Ah, já ia esquecendo das dicas finais:

  • Nunca adube suas plantas carnívoras
  • Não tente dar os insetos diretamente para ela e
  • Não estimule a planta desnecessariamente para não a estressar.

Elas são capazes de obter os nutrientes que precisam sozinhas! O que você precisa estar atento basicamente é com o clima e as quantidades de água. Agora é só jardinar!

4 comentários sobre “Plantas carnívoras: monstros ou gênios?

  1. Oi Marli…
    Que beleza de texto. São informações úteis e curiosas que eu não conhecia.
    Parabéns e muito obrigado pelo conteúdo Marli.
    Mauricio Caffe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *